Desenvolvido por
Categoria: Análise de risco

É possível ficar totalmente seguro contra fraudes?

É possível ficar totalmente seguro contra fraudes?

Nenhum negócio está livre das fraudes, sendo elas responsáveis por crises na empresa, quedas no faturamento, entre outras situações indesejadas. Um exemplo é o e-commerce: o comércio eletrônico chega a um percentual de 1,4% desse tipo de transgressão em todo o mundo. No Brasil, no primeiro trimestre de 2016, as tentativas de fraude cresceram 1,32%.

Esses problemas ocorrem em todo tipo de companhia e chamam a atenção dos empreendedores, em especial quando comprometem a saúde do negócio. 

Mas como se resguardar e manter o ambiente seguro contra fraudes? Descubra neste post!

Como ficar seguro contra fraudes

Os fraudadores estão agindo, mas existem tecnologias e técnicas que podem diminuir o percentual de fraudes. São métodos eficientes e testados para assegurar as transações. Acompanhe algumas sugestões:

Tenha um plano contra fraudes com percentuais realistas

Infelizmente, é difícil chegar a uma taxa de fraudes zero, mas não é impossível. O que exige um planejamento que se inicia com o cálculo do volume de problemas para a incorporação de riscos.

Também devem ser criadas medidas internas, busca de ferramentas de proteção e protocolos para aumentar a segurança nas operações de venda.

Mantenha a equipe interessada nas medidas adotadas

Manter o ambiente seguro exige a dedicação de todos os envolvidos. Nesse sentido, é importante manter toda a equipe interessada nos processos e medidas de seguranças adotadas. Os membros do time precisam estar cientes de que nem sempre os processos automatizados vão dar conta de determinados tipos de ações. 

Procure mantê-los informados quanto à importância de ajudarem no tema, procurando novas ameaças e soluções. Eles precisam estar cientes de que o sucesso do negócio depende da colaboração deles. 

Contratação de uma solução específica

É preciso analisar rapidamente as transações de compra, tendo em vista que processos de validação demorados podem ser mal avaliados pelo cliente. Pense na contratação de ferramentas antifraudes, criadas por empresas especializadas no tema.

Tais companhias possuem uma rotina de análises das informações fornecidas no momento da compra, procuram por sinais de fraudes e fazem a validação dos dados fornecidos.

O que é preciso para manter-se atualizado

Todos os dias surgem novos tipos de fraudes e riscos para os negócios. Porém, é possível prevenir grande parte desses problemas com bons serviços e sistemas de segurança, acima listados, primando pela vigilância de qualidade e experiência na gestão das operações.

Manter o ambiente seguro contra fraudes é uma tarefa difícil. Contudo, com uma estratégia inteligente, com ações integradas, é possível atingir os objetivos do negócio. Também é importante pesquisar sobre o tema, bem como as ações para o aumento da segurança. 

É válido ressaltar que existem diferentes tipos de fraudes, algumas delas deliberadas, ou seja, com ciência do proprietário do cartão. O que é mais um motivo para se manter por dentro das tendências a fim de deixar o negócio seguro contra fraudes. 

Quais ações você vem desenvolvendo em sua empresa para se manter seguro contra fraudes? Quer saber mais sobre as novidades dessa área? Siga nosso perfil nas redes sociais e veja tudo sobre o tema!

Saiba tudo sobre análise de risco!

Saiba tudo sobre análise de risco!

Análise de risco diz respeito ao uso de informações e processos para avaliar se um determinado evento pode ser benéfico ou não, bem como a magnitude de suas consequências. Também há a análise de risco em compras de e-commerce, as quais são especialmente necessárias nas compras que envolvem o cartão de crédito.

Atualmente, o Brasil é o segundo país no ranking de fraudes envolvendo o cartão de crédito. Nem sempre o titular é lesado e, sim, o lojista, uma vez que a prestadora restitui os valores comprados indevidamente com o cartão, mas o vendedor fica sem a mercadoria. É o chamado chargeback, que preocupa, mas pode ser minimizado com a análise de riscos.

Acompanhe o post e saiba quais pontos focar para resguardar seu negócio.

 

A análise de risco em compras no e-commerce

Em linhas gerais, as companhias podem fazer suas próprias análises ou terceirizar. Em ambos os casos é importante conhecer a fundo seu negócio e o comportamento do público consumidor do e-commerce em seu segmento. Dessa forma, é possível identificar quando uma transação sai fora do padrão de compra.

Muitas aquisições seguidas em curtos períodos ou em várias parcelas também são exemplos de alguns indicativos de fraude, que podem ser detectadas quando há um conhecimento mais aprofundado das transações de venda da loja virtual.

Métricas a serem avaliadas na análise de risco

Todo negócio virtual deve adotar políticas e práticas para ajudar a minimizar problemas. Elas devem começar com metas e objetivos relacionados à segurança do e-commerce, passando para medidas de prevenção de fraudes. As métricas têm um papel fundamental nesse planejamento. Acompanhe os principais indicadores:

Taxa de chargeback

Já mencionado, esta situação se refere ao pedido contestado pelo titular do cartão de crédito. Entre os motivos estão o não reconhecimento da compra ou desacordo comercial. O chargeback é calculado dividindo o volume das contestações pela quantidade de vendas concretizadas.

Trata-se de um indicador básico a respeito do desempenho da análise de risco de um negócio. Vale ressaltar que o lojista pode receber advertências das prestadoras de cartão caso o percentual de chargeback ultrapasse 1% do seu faturamento.

Taxa de Rejeição

A Taxa de Rejeição diz respeito ao percentual de pedidos não concretizados por suspeita de fraude. Não devem ser inclusos os pedidos que não tiveram o pagamento autorizado por falta de saldo no cartão, uma vez que não se trata de um problema relacionado à análise. O índice, então, é formado assim: quantas fraudes foram identificadas contra os pedidos aprovados.

Taxa de Revisão Manual

Nos casos em que os pedidos são considerados suspeitos, eles vão para uma revisão, que pode ser feita pessoalmente por um funcionário. Essa análise feita por uma pessoa e não por um sistema é necessária para identificar falsos positivos, mas pode ser demorada, fazendo o pedido ficar na fila por muito tempo.

A taxa de revisão pode ser calculada dividindo o número de pedidos de revisão pelo total de pedidos analisados. Esse percentual precisa ser baixo, uma vez que a loja corre o risco de suspender pedidos legítimos.

Falso Positivo / Falso Negativo

Quando se analisa um pedido, o lojista checa se é uma fraude ou não. O resultado é chamado de falso positivo e falso negativo.

O falso positivo é atribuído a um pedido que o e-commerce marcou como fraude, mas que, na realidade, é verdadeiro. O contrário, quando realmente é identificada a fraude, o pedido é chamado de falso negativo.

Ferramentas para ajudar nas análises

Além de criar uma estrutura própria para realizar análise de risco, cada loja virtual pode contratar uma empresa especializada, aumentando a qualidade em sua performance para esse tipo de tarefa.

Organizações com ferramentas específicas podem cuidar de todas as fases da análise em compras online. Dessa forma, pode-se contar profissionais capacitados, que entendem o negócio, montam um diagnóstico e desenvolvem a solução que mais se ajusta a cada necessidade e caso.

Medidas para evitar fraudes

Como mencionado, é imprescindível adotar um plano de ação e políticas para evitar as fraudes, além da identificação de ações que sinalizam possíveis golpes. Veja algumas medidas interessantes para o seu negócio virtual:

Tenha um processo de validação sólido

Em linhas gerais, é o caminho para a validação sólida da compra e envio do produto. Esse tipo de processo inclui o contato com o titular do cartão, verificação de suas informações, entre outras ações para assegurar a venda.

Estabeleça faixas de valores para a confirmação de dados com as ferramentas informadas ou para realizar o contato direto com o titular. Isso é recomendado porque as análises são custosas e, dependendo do valor, podem onerar ainda mais o pedido, diminuindo a lucratividade.

Crie um perfil de vendas

Informamos no início do post que você precisa conhecer seu negócio e a dinâmica das vendas. Se preciso, cruze os dados com transações anteriores dos clientes para verificar se elas seguem ou destoam do padrão.

Ter um perfil de vendas padrão para seus consumidores vai ajudar a identificar quando uma pessoa de má índole está tentando praticar algumas fraude, uma vez que os padrões são diferentes dos demais clientes que buscam a loja virtual.

Redobre a atenção nas vendas

É indispensável ter atenção redobrada. É interessante conferir os dados do cliente para verificar se o pedido foi feito por terceiros, por exemplo. Se for possível, faça a análise das vendas com calma, principalmente se houver negociações que apresentem alto valor e para aqueles com dados divergentes no cadastro, por exemplo.

Muita coisa passa desapercebida, sobretudo quando há práticas automatizadas de venda e marketing. Daí a importância de ter práticas e protocolos para aumentar a segurança. Os envolvidos nas operações também precisam estar a par das medidas e devem ser estimulados a procurar novas soluções. Isso porque todo dia surgem novas fraudes, sendo fundamental conhecê-las e as medidas para solucioná-las. No mais, boas vendas!

Uma ferramenta de antifraude é essencial para te ajudar a ter essa atenção redobrada e te ajuda a tomar uma decisão baseado em fatos que já existem e que ela consegue analisar.

E então, gostou do que leu e vai colocar nossas sugestões em prática? Compartilhe esse post nas redes sociais para que mais pessoas possam saber como fazer análise de risco!

4 problemas que a fraude causa

4 problemas que a fraude causa

Proteger a reputação da sua loja virtual deve ser a sua prioridade, pois quem atua nesse mercado, sabe que a fraude pode trazer muitos prejuízos para a empresa, porque sempre que houver um pedido de devolução, quem vai arcar com reembolso sempre será o empresário.

Se não houver um plano de prevenção eficiente, isso pode se tornar cada vez mais comum em sua loja e, consequentemente, pode comprometer a saúde financeira da empresa.

Por essa razão, listamos 4 problemas que a fraude causa para te ajudar a identificá-los e solucioná-los imediatamente.

 

 

Quais os problemas causados pela fraude?

1. Entrar no programa de chargeback

O chargeback é uma solicitação de devolução de uma venda feita através do cartão de crédito ou débito. Isso pode acontecer pelo não reconhecimento da compra pelo dono do cartão.

Após realizar a venda, o lojista descobre que o valor referente a ela não será creditado, em virtude de ter sido considerada fraudulenta ou inválida. Caso já tenha sido creditado, o valor é estornado imediatamente.

O programa de chargeback é um sistema antifraude que tem como objetivo proteger o consumidor, dando a ele maior segurança na hora de realizar as transações com o cartão de crédito, principalmente no e-commerce.

É importante você saber que o lojista somente será notificado que entrou no programa de chargeback, se superar a taxa de fraudes aceitáveis, que é de até 1%.

Caso isso ocorra, a operadora de cartão de crédito irá notifica-lo de que a sua loja virtual precisa diminuir esse índice em determinado prazo, sob pena de multa e, em último caso, ele pode perder o direito de vender com determinada bandeira cartão de crédito.

Para sair do programa de chargeback você terá de assumir compromissos com a operadora do cartão garantindo que terá redução nesse índice. Para isso você pode contar com a ajuda de um sistema antifraude que auxilia na captura das fraudes.

2. Diminuição no número de consumidores

Seus prejuízos podem ir muito além dos danos financeiros, ou seja, a fraude faz com que você corra um sério risco de perder sua credibilidade perante seus consumidores.

Se um cliente tiver seu cartão de crédito “clonado” na sua loja online, ele pode ficar com medo de comprar novamente e pior, ele pode contar o que aconteceu para outras pessoas, fazendo com que a credibilidade da sua loja diminua e o número de clientes também.

Por mais que a maior vítima das fraudes seja o e-commerce, vai ser muito difícil o consumidor conseguir entender quem é o verdadeiro responsável pelo golpe.

3. Prejuízos com transportes

Outra perda que o comerciante também pode ter é com o transporte. Pois, o valor pago pelo frete não será suficiente para arcar com todos os gastos compreendidos, como deslocar um ou mais funcionários para realizar uma entrega desnecessária, gasto com gasolina, perda de tempo, embalagens e outras despesas que fazem parte de uma venda.

4. Prejuízos com multas dos cartões Visa e/ou Martercard

As multas que você pode receber por ultrapassar a taxa aceitável de 1% de fraudes são contínuas e cobradas em dólar, podendo chegar até U$ 200,00 por cada chargeback sofrido.

Enquanto o seu negócio não chegar ao limite aceitável, as multas continuam e tornam-se ainda mais severas.

Como se prevenir?

Os prejuízos com a fraude vão muito além do chargeback, pois podem causar muitas preocupações, além de colocar em risco a atividade da sua loja online. Por essa razão, a melhor forma de combater a fraude é prevenir-se contra ela e, sem um sistema especializado, vai ser muito difícil você conseguir precaver-se.

Ter um sistema antifraude para vendas na internet é essencial para que o comerciante não seja lesado pela fraude. É preciso estar ciente de que os fraudadores estão se profissionalizando cada vez mais e não agem de forma isolada. Por isso, é necessário que você possua um serviço especializado para identificar as transações fraudulentas e eliminar esse risco de uma vez por todas.

Gostou das nossas dicas? Então, que tal compartilhar sua experiência conosco, deixando seu comentário? Participe!

Conheça 5 tipos de fraudes

Conheça 5 tipos de fraudes

A fraude é uma das principais preocupações dos gestores de e-commerces. Só no ano passado, as lojas virtuais de todo o mundo perderam mais de R$ 1,9 bilhão com fraudes. No Brasil, estima-se que de 3% a 5% das compras realizadas nas lojas virtuais são de origem fraudulenta, gerando um prejuízo muito grande aos lojistas, o que prejudica todas as instituições ligadas ao setor. No post de hoje, você conhecerá os 5 principais tipos de fraudes no e-commerce! Acompanhe!

 

 

Principais tipos de fraudes

Atualmente, presenciamos um cenário em que há certa banalização dos dados cadastrais, o que viabiliza as fraudes. Ataques de pessoas mal-intencionadas e vazamentos de informações tornaram os processos fraudulentos mais populares. É fácil entrar em uma rede social e ver alguém vendendo informações de cartão de crédito e demais dados.

É praticamente impossível para os gestores garantir que o comprador é, de fato, o portador de um cartão de crédito e que aquela transação é legítima. As fraudes envolvendo cartões de crédito são as mais comuns, devido à facilidade de se obter dados e à dificuldade de se encontrar os culpados. A justiça ainda não é tão eficiente quanto a esse tipo de golpe.

Veja quais os principais tipos de fraudes:

1. Fraude deliberada

Ocorre quando uma pessoa mal-intencionada ou quadrilha furtam dados de uma determinada pessoa ou instituição e efetuam compras. Elas utilizam nome, cartão de crédito e dados dessas pessoas sem seu consentimento.

Nesse caso, o pedido é entregue no endereço indicado pelo fraudador. Mas não é o titular do cartão quem fica com o prejuízo, e sim o quem vendeu o produto. Isso porque o titular não reconhece a compra e solicita que a prestadora do cartão cancele o pagamento. O lojista fica sem a mercadoria e o dinheiro.

2. Password cracker

Ocorre quando um hacker descobre a senha de um determinado usuário, cliente da loja virtual. Ele entra no sistema, realiza compras e solicita outro endereço para a entrega do pedido.

3. Autofraude

Se nas fraudes anteriores o titular do cartão desconhecia a compra, na autofraude é ele mesmo quem comete a fraude. Como? Ele compra o produto e após o recebimento notifica a prestadora do cartão de crédito alegando que não foi ele quem fez a compra.

4. Fraude amigável

A fraude amigável nem sempre ocorre por má-fé do titular, mas, ainda assim, leva prejuízo a alguém. A situação ocorre quando uma pessoa conhecida do titular do cartão de crédito realiza a compra sem o seu consentimento. Como ele não a reconhece, o titular entra em contato com a administradora e pede o estorno da compra que ele julga indevida, causando despesa ao lojista virtual.

5. Mobile fraude

Ocorre quando pessoas mal-intencionadas capturam dados via SMiShing (mensagem para roubos de dados) ou roubam um smartphone contendo dados bancários do usuário. Com esses dados, os fraudadores compram em lojas virtuais e não pagam, gerando o prejuízo.

Como visto, na maioria dos casos, independente dos tipos de fraudes o prejuízo fica por conta do lojista, que se vê em uma situação em que é preciso se resguardar. Ao desenvolver barreiras para evitar as fraudes, o lojista protege seu negócio e a integridade de seus clientes, aumentando a boa reputação da loja e diminuindo os riscos de perder recursos.

Curtiu este post? Preparado para evitar os principais tipos de fraudes? Assine nossa newsletter e acompanhe mais conteúdos interessantes!

4 formas de identificar uma fraude em transações

4 formas de identificar uma fraude em transações

O e-commerce é um dos modelos de negócio em maior destaque no mercado. Juntamente com esse sucesso, surge uma série de preocupações, pois esse modelo está sujeito à fraude em transações online.

fraude nesse comércio se dá basicamente por meio de compras com o uso do cartão de crédito, mas deixar de aceitá-los está longe de ser uma realidade possível. A maior parte das transações financeiras ocorre por meio de cartões e, ao contrário do que acontece no comércio convencional, no e-commerce os prejuízos da fraude são de responsabilidade do lojista. Isso acontece pois a autenticação da compra não é feita por meio de autorização por senha, como nas lojas físicas.

 

 

Para evitar prejuízos, a primeira atitude é ficar atento às transações realizadas, quando o perfil do volume de compras ou do comprador muda, mas isso por si só não é o suficiente. É preciso acompanhar alguns indicadores de fraude no seu comércio eletrônico. Pensando nisso, separamos os 4 principais indicadores que devem ser considerados para identificar fraudes em seu negócio.

1. Índices de chargeback”

Chargebacks ou estornos acontecem quando o proprietário do cartão contesta o lançamento junto à operadora de crédito e o lançamento é cancelado. Esse índice pode ser calculado dividindo o número de estornos pelo número de vendas recebidas no cartão de crédito.

As operadoras de cartão recomendam que o indicador de chargeback não ultrapasse 1% do faturamento total. Empresas que ultrapassam esse limite podem levar advertências ou até mesmo serem suspensas e pararem de receber pedidos com pagamentos no cartão.

Apesar da tolerância das operadoras de cartão, o ideal é que esse índice fique abaixo de 0,5%, acima disso é preciso se preocupar com problemas de fraude.

2. Aumento das análises manuais

Quando o sistema barra algum pedido por ser considerado suspeito, ele acaba indo para revisão manual, ou seja, alguém deverá analisar e liberar o pedido. O ideal é que a necessidade dessas análises permaneça abaixo dos 10%, acima disso pode ser um indicador de que seu e-commerce está suscetível à fraude.

Apesar de essa análise ser eficaz para diminuir o índice de chargeback, ela acaba sendo mais onerosa para a empresa, pois além de custar mais, prejudica a experiência de compra do cliente devido ao tempo de espera da autorização.

É preciso equilibrar as taxas de aprovação automática e manuais. Da mesma forma que a manual pode ser mais custosa, a aprovação automática de todos os pedidos pode facilitar que seu comércio seja fraudado.

3. Queda na taxa de rejeição de pedidos

A taxa de rejeição de pedidos é representada pelo número de compras que são negadas pelo sistema ou após a análise manual, por ser considerado suspeito ou inconsistente. É preciso estar atento, caso esse índice esteja abaixo de 1%, pois seu comércio pode estar sendo fraudado e seu sistema de análise sendo ineficiente.

Por outro lado, um aumento na taxa de rejeição pode estar fazendo com que pedidos fidedignos estejam sendo perdidos, sendo assim, é preciso ter um equilíbrio, assim como nas taxas de análise manuais.

4. Aumento de pedidos incomuns

Além dos índices, é preciso conhecer o perfil dos seus compradores e das suas vendas. Atente-se a algumas mudanças, como pedidos com valores maiores que o habitual e com muitos itens iguais, e também a compras múltiplas em um mesmo cartão. Por mais que em um primeiro momento isso possa parecer lucrativo, é um indicador de fraude e deve ser analisado cuidadosamente antes da liberação do pedido.

Também é preciso prestar atenção a vários pedidos com um mesmo endereço de entrega, mas feitos em cartões e endereços de cobranças diferentes.

Conhecendo essas formas de prevenir fraude e mantendo-as sob constante avaliação, é possível identificar se o seu comércio está dentro dos limites aceitáveis de fraude.

Para evitar a fraude em transações online, é preciso investir em certificados e sistemas antifraude. Assim, você garante que seu negócio continue lucrativo e competitivo. Quer saber mais sobre esse assunto? Que tal ler também nosso post “Segurança online: como fazer transações de compra online mais seguras?”!

Black Friday: 3 dicas para conseguir boas ofertas!

Black Friday: 3 dicas para conseguir boas ofertas!

O dia 25 de novembro está se aproximando e, com isso, começa a correria das lojas virtuais para conseguir oferecer boas ofertas aos consumidores e diferenciar seus produtos dos concorrentes. Não é uma tarefa muito simples, mas existem formas de conseguir melhores descontos.

 

black-friday-3-dicas-para-conseguir-boas-ofertas

 

Sabendo disso, resolvemos produzir esse conteúdo. Nele, daremos 3 dicas imperdíveis para você conseguir boas ofertas para essa Black Friday e dar um passo à frente dos concorrentes. Vamos lá?

1. Negocie com os fornecedores

Se você consegue o produto por um preço bom, com certeza você poderá vendê-lo por um valor mais acessível. Por conta disso, a negociação com os fornecedores é tão importante, pois é por meio dela que você conseguirá se destacar dos concorrentes.

É normal ver uma loja virtual vendendo o mesmo produto por um preço menor que outras. Isso deve-se ao preço que cada uma consegue a mercadoria. É e sempre será uma batalha, e por isso é necessário que você siga as seguintes dicas:

  • compre à vista;
  • compre do mesmo fornecedor;
  • aproveite oportunidades no mercado (por exemplo, roupas de inverno são mais baratas no verão);
  • pesquise sempre pelo melhor fornecedor.

Assim, com certeza, você conseguirá melhores preços para a Black Friday, e, consequentemente, a confiança dos seus clientes.

2. Faça uma limpa de estoque

Toda loja virtual tem aquele produto que não consegue vender de jeito nenhum. Isso é extremamente normal. Porém, é necessário pensar e ser esperto nessa hora. Oferecer bons descontos para os produtos que não estão saindo do estoque é uma boa maneira de ter preços diferenciados na Black Friday.

Assim, você vende um produto que estava parado, por um preço acessível, e ainda por cima passa credibilidade para os consumidores. Lembre-se sempre da reciprocidade, pois se os clientes da sua loja virtual ficarem contentes e satisfeitos com os descontos, certamente eles te darão algo em troca.

3. Não invente descontos

Seja verdadeiro com o seu cliente! Isso significa que, em hipótese alguma, você deve mentir um desconto. O que vemos na Black Friday brasileira é: muitas lojas inventando preços, quando na verdade cobram no dia a dia o mesmo valor.

Para deixar claro, a Black Friday é uma data que tem como objetivo oferecer bons descontos para os consumidores realmente conseguirem comprar os tão sonhados produtos, que em um dia normal, por exemplo, talvez não conseguissem adquirir.

Ou seja, se você optar por mentir preços, com certeza a sua marca ficará mal vista na web, o que implicará em sérios problemas para seu negócio no futuro.

Pode ser que, no seu ver, uma simples recomendação da loja virtual para família e amigos não é relevante, mas se você parar para pensar, se cada usuário que finalizar uma compra indicar a duas pessoas os seus produtos, no mínimo, você dobraria as vendas. Então, fique ligado e não se esqueça da primeira frase desse tópico: seja verdadeiro com o seu cliente!

Seguindo as dicas que oferecemos para você, certamente você terá um dia 25 de novembro de muitas vendas e uma Black Friday muito lucrativa!

Gostou do conteúdo? Tem algum elogio ou crítica a fazer? Então deixe seu comentário, ele será muito importante para nós!

Black Friday: por que seu e-commerce não pode deixar de participar

Black Friday: por que seu e-commerce não pode deixar de participar

Desde sua origem, a Black Friday vem ocupando uma fatia cada vez maior do faturamento anual de pequenos, médios e grandes varejistas. Atualmente, a data é um fenômeno mundial e já estabeleceu-se como uma das ocasiões mais importantes para diversos setores do mercado.

 

black friday

Mas por que isso acontece? Como surgiu a Black Friday? E por que sua empresa não pode deixar de fazer parte dela? No post de hoje, respondemos a essas e outras questões sobre o assunto para você entender exatamente a importância da ocasião. Continue acompanhando!

O nascimento e a ascensão da Black Friday

A Black Friday originou-se nos Estados Unidos como um dia de promoções na sexta-feira logo após o feriado de Thanksgiving (Ação de Graças), comemorada sempre na quarta quinta-feira do mês de novembro. A data, portanto, inicia as compras de Natal.

Não se sabe ao certo quando o nome “Black Friday” surgiu ou como se espalhou, mas uma teoria popular é que as promoções desse dia marcariam a virada das finanças das lojas, que finalmente deixariam de estar “in the red” (no prejuízo) para ficar “in the black” (lucrando).

O fato é que a ocasião tornou-se um sucesso estrondoso entre os norte-americanos e, diante disso, espalhou-se para países como Brasil, Canadá, Austrália, Portugal, Paraguai e Reino Unido.

No Brasil, a primeira edição da Black Friday aconteceu em 28 de novembro de 2010, contando com a participação de 50 lojas de varejo online. Desde então, o evento alcançou índices altíssimos por aqui e, hoje, a venda e procura de produtos na Black Friday estende-se por diversos setores, tanto online quanto offline.

Em 2014, a Black Friday brasileira apresentou um crescimento de 51% em relação ao ano anterior. Enquanto nos Estados Unidos, a data cresceu apenas 26% no mesmo período. Mesmo com faturamento total menor, portanto, as promoções no Brasil demonstraram um crescimento admirável em pouco espaço de tempo.

Essa diferença se dá, entre outros elementos, pelo fato de a Black Friday ainda ser um evento relativamente novo no Brasil, ou seja, muitos consumidores estão dispostos a fazer parte da experiência representada por essa nova data, com suas promoções e descontos oferecidos por tantas lojas e em produtos tão diversos.

Os motivos para o sucesso da Black Friday

Agora que você já conhece o tamanho do sucesso da Black Friday, é hora de entender melhor os motivos que tornaram o evento um fenômeno tão popular e por que ele é tão interessante para as lojas. Vamos lá?

Exposição da marca

Sabe aquelas pessoas que nem têm ideia de que sua empresa existe? Durante a pesquisa de preços que elas farão antes e ao longo a Black Friday, suas promoções imperdíveis têm enormes chances de introduzi-las à sua loja!

Atração de novos clientes

Os benefícios da data, é claro, se estendem muito além dela. A Black Friday pode ser uma grande porta de entrada para novos clientes na sua loja. Dessa forma, reter os clientes captados durante o evento depende apenas das suas estratégias de negócio.

Faturamento

Com as promoções e descontos da Black Friday, resistir à compra torna-se quase impossível, não é mesmo? Um efeito consequente de qualquer data com grande procura de produtos, a Black Friday vai fazer a diferença no seu faturamento.

Em 2015, o faturamento da Black Friday no e-commerce brasileiro foi de R$ 1,5 bilhão, frente a R$ 872 milhões em 2014. Além disso, a data teve 49% de aumento no número de pedidos, totalizando mais de 3,1 milhões de compras.

Queima de mercadorias

A Black Friday é uma excelente oportunidade para desovar aquelas mercadorias paradas no estoque há um tempão. Que tal criar uma promoção atrativa para esses produtos?

As expectativas para a Black Friday 2016

De acordo com uma pesquisa realizada pelo site de comparação de preços Zoom, 99% dos mais de 15 mil entrevistados revelaram-se dispostos a fazer compras durante a Black Friday 2016. No ano passado, a mesma pesquisa mostrou que apenas 39% dos entrevistados consideravam que os descontos do evento eram reais — em 2016, esse número subiu para 51%.

E então, pronto para investir na Black Friday e colher os frutos desse fenômeno? Para continuar crescendo, assine nossa newsletter e seja o primeiro a receber nosso conteúdo!

As olimpiadas, fraudes e o fator comum.

As olimpiadas, fraudes e o fator comum.

As olimpiadas e fraude

Se existe algo que eu realmente sou fã essa coisa é esportes! E não tem como falar aqui de esportes sem lembrar que a dias atrás vivíamos uma das maiores experiências que uma competição pode proporcionar: As olimpíadas!

Como foi bom ver a Rafaela Silva ganhar aquela medalha de ouro no judô. Ver o Thiago Braz superar o francês e vencer a disputa pelo ouro ou ver a sofrida, inédita e maravilhosa conquista do ouro olímpico no futebol masculino. E sem deixar de citar a nossa seleção feminina que merecia chegar muito mais longe pelo show de bola que deram dentro de campo!

Bom, eu talvez nunca jogarei 1% do futebol da Marta ou do Neymar, talvez não saltarei mais que 1m de altura mas, olhando para esses atletas fico imaginando que eu e você podemos ser parecidos com eles. Sabe como? Protegendo nossos negócios de fraudadores!

 

Pensando em fraude de um modo diferente…

Imagine que os autores de fraudes online querem roubar seus dados do mesmo jeito que a Alemanha queria ganhar a medalha de ouro no lugar do Brasil. Se imagine defendendo essa medalha enquanto os fraudadores querem tirar ela de você.

Seus concorrentes – Que nesse cenário são os fraudadores – estão utilizando meios e meios, com cada vez mais eficiência para fraudar, você deve treinar mais, melhor e ser mais eficiente para conseguir ganhar esse jogo.

Aqui vão algumas dicas de coisas que você pode fazer, coisas para diminuir e até mesmo acabar com as fraudes e prevenir chargebacks.

1. Medidas para prevenir as fraudes serão o seu regime de treinamento:

Não existem atalhos ou truques que melhore a sua performance além de puro e simples treino. Bob Bawman, treinador do Michael Phelps, disse: “Não é somente o talento, é trabalho! É uma combinação de ambos”

E assim como o Phelps, que tem uma rotina de ir pra academia, ir para a piscina, ter horários, você deve:

→ Verificar sempre se esse cartão não é fraudulento, se está em algum tipo de blacklist ou não;

→ Verifique o endereço de entrega e cobrança dessa venda;

→ Cheque o comportamento do seu cliente, ele sempre dirá algo!

 

  1. Seu time é extremamente importante, você não ganha a medalha sozinho!

Assim como no futebol, é impossível o Neymar ter ganho aquela medalha sozinho. Se não fosse o pênalti pego do Weverton, os passes do Renato Augusto, o Neymar não teria feito aquele gol nos pênaltis e decidido a favor do Brasil.

Na luta contra as fraudes, seu time precisa estar treinado e preparado para se revezar e apoiar um ao outro toda vez que for preciso passar o bastão sem deixar cair o combate as fraudes. Motive a todos para criar uma cultura de proteção contra fraudes assim como os atletas motivam um ao outro para marcar mais ou chutar mais no gol. Isso protegerá seus clientes e seus negócios.

 

  1. Ferramentas e parceiros de treino ajudam os atletas a chegarem mais longe

Os atletas podem treinar juntos para dar mais motivação e um ir corrigindo o outro, além de poderem se alimentar de forma correta, utilizar suplementos permitidos e o SafeGuard faz o mesmo aliado com você!

Aqui analisamos o risco das suas vendas de forma única. Entregamos as ferramentas e o treino necessário para conseguir pegar as fraudes que são necessárias para a sua empresa não ter prejuízos  pegar o maior número de fraudes possível.

 

Você já tem o que é preciso?

Nem todos nós poderemos vencer uma medalha olímpica, mas todos nós podemos sim acabar com as fraudes e amenizar os riscos e aí sim ganhar uma medalha de ouro nesse combate.

Podem existir inúmeros medalhistas nesse ramo mas você tem que garantir que faz isso bem o suficiente e forte o suficiente para que nenhum fraudador consiga entrar nos seus negócios e assim vá para outro rumo.

 

 

Solução antifraude e Revisão manual

Solução antifraude e Revisão manual

Um dos principais fatores para o sucesso do combate às fraudes é realizar o acompanhamento das vendas e, nos casos suspeitos, avaliar corretamente os fatores de risco para tomar a melhor decisão.

writing-1149962_1920

Existem algumas soluções voltadas para o combate às fraudes, que classificam o risco das vendas e mostram quais são os sinais de risco de cada uma delas. Mas, mesmo adotando esse tipo de recurso, não se pode deixar de acompanhar o risco de suas vendas, pois:

  • Para alguns casos, pode fazer sentido realizar a revisão manual.
  • É necessário monitorar a efetividade das análises.

 

Efetividade

Para verificar se a solução é efetiva, temos que fazer três perguntas:

  1. Ela cumpre o objetivo de barrar as fraudes?
    – Se ela não está barrando as fraudes, não é efetiva.
  1. Ela não barra as boas vendas?
    – Outro ponto tão importante quanto o anterior é que não haja impacto nas boas vendas. Além da perda de receita dessas vendas, poderá causar influências negativas em outras, pois os bons clientes que tiveram seus pedidos negados nunca mais voltarão e poderão influenciar outros compradores através das mídias sociais.
  1. Estou confortável em relação aos critérios utilizados por ela? Consigo verificar esses critérios em cada venda?
    – É difícil confiar em uma avaliação que é uma caixa preta. Conseguir analisar os fatores de risco de cada venda e também ver se estão corretamente calibrados é um dos fatores de sucesso para evitar as fraudes.

Caso não haja satisfação com todas as respostas, essa plataforma antifraude não é adequada. Procure sempre alternativas que foram desenvolvidas especificamente para atender o seu negócio, pois as chances de sucesso são muito maiores.

 

Revisão manual

Por que fazer a revisão manual se a ferramenta já faz uma análise automática das vendas?

Isso depende de qual estratégia de acompanhamento será adotada e o quão confiável são essas análises.

Estratégia de acompanhamento das vendas

Existem algumas opções de como acompanhar as suas vendas:

  • Quanto ao momento:
    • Pré-venda.
    • Pós-venda.
  • Quanto aos casos que passarão pela análise manual:
    • Analisar todas as vendas em paralelo com a avaliação automática.
    • Analisar apenas as vendas suspeitas.
    • Analisar as vendas que apresentem certas características, como entrega imediata ou cartão de crédito emitido fora do Brasil.
    • Acatar as análises realizadas pela ferramenta.

Diferentes estratégias podem ser adotadas dependendo do estágio da implantação da plataforma.  Por exemplo:

  • Nas primeiras semanas de implantação, pode fazer sentido avaliar manualmente todas as vendas no “modo” pós-vendas até que a ferramenta esteja calibrada e apresentando resultados consistentes.
  • Após esse período, pode ser adotada a estratégia de realizar as análises manuais apenas dos casos com risco alto e critico.

 

Confiança

Delegar parte ou todas as decisões de negar vendas suspeitas depende do nível de confiança que se tem em relação à solução.

Caso ela esteja falhando na detecção das fraudes ou negando muitas vendas boas, será difícil confiar nela.

 

Outros fatores a considerar

Prazo de entrega: se o prazo de entrega é muito apertado, fica difícil analisar manualmente uma quantidade muito grande de pedidos. Neste caso, é necessário contratar uma plataforma apropriada para o tipo de negócio que automatize as decisões de forma correta.

Equipe: montar um time adequado para realizar as análises e atuar de forma ativa quando requerido é essencial para evitar as fraudes. É necessário encontrar o perfil adequado, fazer muito treinamento e ter conhecimento do negócio em que está atuando. A construção da equipe é um processo caro e exige tempo. Outro desafio é dimensionar muito bem o número de pessoas para atender ao volume de demanda. Caso não exista uma equipe preparada, deve-se procurar fornecedores que atendam também a esse requisito.

 

Como podemos notar, o combate às fraudes envolve custos. Contudo, contratar uma solução adequada traz benefícios muito maiores que esses custos. Fique atento aos pontos que discutimos neste post para aumentar as chances de sucesso.

Você tem problemas com fraudes e/ou dúvidas sobre revisão manual? Deixe seu comentário e conversaremos a respeito!

Chargeback: entenda o que é e como é efetuado

Chargeback: entenda o que é e como é efetuado

Dados mostram que o uso de cartão de crédito pelo brasileiro dobrou nos últimos 5 anos. A facilidade de poder pagar a prazo e de comprar sem sair de casa são dois motivos que justificam especialmente esse crescimento.

Oferecer esse tipo de pagamento, portanto, é especialmente importante para os resultados dos negócios, especialmente o e-commerce. Para conseguir o máximo de segurança na atuação, um conceito precisa ser conhecido: o chargeback. A seguir, veja do que se trata essa situação e entenda como ela acontece.

chargeback-entenda-o-que-e-e-como-e-efetuado-entregar

O que é o chargeback?

O chargeback consiste na obrigatoriedade de devolução de dinheiro quando uma compra feita por cartão de crédito ou débito é considerada inválida. Ou seja, o chargeback é o cancelamento de uma compra que havia sido inicialmente aprovada, o que gera especial dor de cabeça para o vendedor.

É um processo que acontece muito frequentemente nas lojas virtuais, já que a transação feita a distância não possui nenhuma garantia de conclusão por parte da operadora de cartão de crédito.

O cancelamento ou chargeback acontece mediante duas condições principais: quando o cliente não reconhece a compra realizada ou quando a operação acontece em desacordo com a política da operadora do cartão.

O principal efeito disso é que o negócio sofre com o prejuízo. A compra já havia sido realizada, a nota fiscal já foi emitida e não pode ser desfeita, o produto já foi potencialmente enviado/utilizado e, ao final, há a solicitação de devolução do dinheiro.

O problema é ainda pior quando o negócio já havia comprometido esses recursos. Embora isso pareça mais simples em uma única transação, se o negócio sofre dezenas ou centenas de chargebacks há um acúmulo cada vez maior de prejuízos.

Qual a diferença entre chargeback e arrependimento de compra?

No e-commerce, há um direito garantido pelo Código de Defesa do Consumidor: o arrependimento de compra. Nesse caso, em até 7 dias o cliente pode solicitar o dinheiro de volta sem que haja um motivo específico.

Embora pareça se tratar da mesma coisa, chargeback e esse arrependimento não são a mesma coisa. Enquanto o arrependimento é um direito que pode ou não ser executado pelo cliente, o cancelamento da compra em si é baseado em questões contratuais e que têm a ver com a operadora do cartão em questão.

Além disso, há uma diferença quanto ao prazo. O arrependimento de compra pode ser efetuado em até 7 dias úteis após a compra, mas o chargeback pode ocorrer somente quando o cliente recebe a sua fatura, por exemplo.

Quais as condições para o chargeback?

A questão mais importante é entender quais são as condições para esse cancelamento de compra. Essas condições são acordadas entre o lojista e a operadora do cartão e por isso é necessário avaliar muito bem o contrato.

Em geral, as operadoras possuem uma política de cancelamento de compra mediante a solicitação embasada do cliente. Com isso, as responsabilidades caem inteiramente em cima do lojista, especialmente o virtual.

Como evitar o chargeback?

Considerando que a operadora de cartão não garante a validação das compras, é preciso atuar de modo a evitar a invalidação das transações. Para isso, a melhor maneira é buscando evitar fraudes, o que diminui as solicitações por parte dos consumidores devido ao não reconhecimento de compras.

Nesse cenário, a melhor atitude consiste em contratar um sistema antifraude. Dessa forma, o negócio passa a ter uma margem de segurança maior sobre as compras realizadas de modo a evitar situações do tipo.

O chargeback é um grande problema para boa parte dos lojistas virtuais, já que o cancelamento de compra inválida ou não reconhecida gera prejuízos. Para diminuir os impactos dessa situação, o melhor é contratar um sistema contra fraudes, garantindo a conclusão adequada das compras.

Você enfrenta esse tipo de problema? Ainda tem alguma dúvida? Participe nos comentários!